© Modéstia à Parte | Cecília Rodrigues

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Pinterest Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon

Diário de uma noiva 4: torci meu pé na festa!!

15.01.2019

Olaaa meninasss!

 

No último post eu falei do meu atraso pra chegar na chácara, que foi de duas horas, então se você não leu, clica aqui.

Na cerimônia ocorreu tudo bem, a pregação foi muito leve e divertida, e estávamos muiiiito felizes.

Acabado a cerimônia, íamos tirar foto em um bairro próximo, porém por conta do meu atraso as pessoas estavam com fome, então resolvemos tirar as fotos na chácara mesmo, pra ser mais rápido, e aí que vem a emoção kkkkk.

A primeira foto era na escada que dava pra entrada do salão, mas a escada estava molhada, então eu ergui a barra do vestido com minhas duas mãos, ficando sem apoio, e foi aí que eu escorreguei uns 3 degraus. Só que eu queria mesmo era salvar meu vestido pra não sujar e molhar, então coloquei um pé atrás do outro, ou seja: torci feeeeio mesmo. Moral da história, nunca salvem o vestido kkkkkkkkk. 

Doeu muiiiiito, e eu tava de salto ainda por cima, mas ali na adrenalina a dor passou.

Essa foto foi tirada um minuto depois que eu caí, pareço plena desse jeito porque eu paguei muito caro no fotógrafo pra aparecer com cara de choro nas fotos, rs.

Quando acabou a festa e fomos pro hotel tirar mais algumas fotos, eu já não aguentava mais ficar em pé, e só no quarto do hotel que eu fui ver a situação do meu pé, e genteeee do céu, tava uma bola de verdade. Não tinha gelo, já estava muito tarde, então eu dormi assim mesmo. 

No outro dia de manhã eu não conseguia erguer o pé porque machuquei bem na junta, então eu estava literalmente arrastando meu pé direito. Quase perdemos o avião em Curitiba e em São Paulo. Me imaginem arrastando o pé no meio do aeroporto de Guarulhos, maior mico kkkkkkkk. 

Enfim, chegando em Salvador resolvi procurar um hospital, mas não atendiam meu convênio. Seguimos viagem de carro rumo a Barra Grande, na Península de Maraú, que era nosso destino final, só que no meio do caminho, com o calor, meus dois pés estavam inchados e eu não sentia mais o pé que eu machuquei, então fiquei preocupada de ter rompido o tendão, ou quebrado algum osso. 

Chegando em uma cidade chamada Valença, no interior da Bahia, eu vi uma placa: Hospital Santa Casa de Valença, e eu pensei: obrigadaaa Jesusss, a minha salvação chegou!

Fui tirar um Raio-X naquele hospital caindo os pedaços, no interiorzão da Bahia, e ainda por cima um médico cubano que me atendeu e eu mal entendia o que ele falava HAHAHAHAHAHAHA, até imitei ele quando contei esse fatídico dia lá no meu insta, @modestiaaparteblog, se você ainda não me segue, corre lá! 

Mas graças a Deus eu só tinha torcido mesmo, então ele me passou remédio pra dor, falou pra eu colocar gelo e seguimos viagem.

Já era noite, estávamos numa estrada cheia de buracos, uma escuridão sem fim, sem um posto de gasolina, a lancha pra atravessar pra Península era só até às 19h, e a gente não chegava nunca...

 

Continua no próximo post!

 

Cecília Rodrigues

Tags:

Compartilhe no Facebook
Share on Twitter
Pin it
Please reload